Horário de Funcionamento
das 13:00 às 19:00
Rua Moisés de Oliveira, 210
Rio Bonito - Irati, PR

O que a Rede Aurora não é

A Rede Mundial de Estações AURORA não é um conjunto de comunidades mais ou menos isoladas ou estanques, com moradores "fixos", mas uma só "comunidade planetária" (sem fronteiras) com muitas"moradas" (Estações), algo mais comparável a uma rede de albergues rurais autossuficientes do que a qualquer outra coisa.
 
Repetindo: a Rede Mundial de Estações AURORA não é uma "associação de comunidades", absolutamente, mas UMA SÓ COMUNIDADE, de caráter planetário,sem fronteiras, “cigana”, digamos assim, mas com muitas "moradas",mundo a fora.

Nossa prática não é adquirir uma terra, colocá-la em nome de alguém ou de uma associação regulamentada, visando abrigar mais ou menos ecologicamente um grupo igualmente mais ou menos numeroso de pessoas (solteiros e famílias constituídas). As Estações Aurora são "portais" da Rede Aurora que têm uma perspectiva não só planetária, ou seja, de se fazer presente em muitas regiões da Terra (Gaia), mas igualmente interplanetária, ou seja, aberta à realidade do REINO HUMANO como fenômeno cósmico universal e pluri dimensional.

As Estações Aurora são "estações" de um movimento constante de recriação do Mundo e da Vida na superfície da Terra (Gaia), dentro de uma corrente específica de interpretação deste ideal, perspectiva esta iluminada,por um lado, pelo entendimento amasófico, "cola" dos que vivem a REDE AURORA como ideal de vida, e, por outro lado, pelo documento internacional AGENDA AQUARIANA, do qual a REDE AURORA é livre-signatária, como acima foi destacado.

Construindo lugares para se viver planetariamente e em paz, nos reconstruímos como gente para podermos protagonizar esse mundo novo agora ou nas vidas futuras que haveremos de viver em Gaia, e numa tão perfeita quanto possível articulação com as demais quinze Redes Mundiais semelhantes reveladas ou antevistas pela AGENDA AQUARIANA.

  As Estações Aurora são elementos de uma infraestrutura global integrada e interdependente, onde a comunidade de moradores da REDE AURORA poderá circular livremente, cada qual com seu projeto de vida no contexto da REDE.

Não estamos propondo "comunidades alternativas" ou “ecovilas” aqui ou ali, mas uma comunidade tão planetária quanto "aquariana", com muitos"pousos", muitas bases de trabalho, dedicação, vida, arte, cultura,saber e sabedoria, troca, tecnologia, criatividade, inventividade, convívio,segurança, cooperação, amor e dedicação, ainda que, no momento, estejamos fortemente contaminados por valores e expectativas, medos e inseguranças decorrentes da cultura na qual nascemos e da qual ainda muito dependemos, em muitos aspectos, para subsistir e sobreviver.

  Decerto haverá pessoas mais sedentárias, enquanto outras circularão mais, ou por índole e natureza, ou em razão das obrigações que forem assumindo com seus pares, nessa ou naquela Estação Aurora, estejam elas no Brasil ou na Mongólia,na França ou no México, na Argentina, no continente africano ou na Austrália,ou na Rússia, na Ucrânia ou na Polônia de hoje.

  Seus moradores (denominados Yamassis) não "pertencem" ou são MORADORES dessa ou daquela Estação, mas da REDE AURORA como um todo, já que a REDE AURORA, ao integrar postulados amasóficos e as orientações da AGENDA AQUARIANA, liberta o indivíduo e o grupo familiar de uma"propriedade", de um "emprego" e de uma"nacionalidade". Ela abre uma oportunidade universal, para todos, de cooperarem com a Vida em geral, sem fronteiras, sem governos centrais, sem moeda, e com seus Semelhantes onde melhor suas capacidades e habilidades, bem como suas vontades de servir e de aprender com outros, possam se colocar.

  E não estamos e nem nos sentimos “isolados”, mas a 8ª (oitava) das 16(dezesseis) REDES MUNDIAIS DE ESTAÇÕES AQUARIANAS reveladas ou antevistas —profeticamente, digamos assim — pela referida AGENDA AQUARIANA, um documento iluminado essencialmente por Ramatis (Kutumi ou Frabncisco de Assis, ou ainda Pai Seta Branca).

Aos que buscamalternativas de "sobrevivência"
 
A REDE AURORA também não é — de modo algum — uma iniciativa preocupada ou ocupada com os acontecimentos "catastróficos", maiores ou menores,que com certeza deverão marcar a dita Transição Pisces-Acquarius, com todas suas causas diretas e seus previsíveis desdobramentos socioculturais, religiosos,econômico-financeiros, políticos, ideológicos, militares, físico-geográficos,climáticos, telúricos, astronômicos, ufológicos, paranormais, dentre outros mais.
 
E muito menos determina ou sustenta datas ou sistemas quaisquer de datação em relação à época ou período em que tais eventos se intensificarão ao ponto de comprometer e romper as tessituras da política oficial tanto quanto da oculta,a sociocultural, a econômica e físico-material ou a geográfica da Civilização atual. 

Busca, é verdade, manter-se informada em relação aos processos em curso e trabalha no sentido da autodeterminação estratégica de suas unidades(Estações Aurora) e da REDE AURORA como um todo, em razão da possibilidade dessa ruptura afetar a continuação regular de seus objetivos e metas em termos da IMPLANTAÇÃO, no maior número possível de lugares no mundo, de suas ESTAÇÕES AURORA, no contexto das diretrizes reveladas pela AGENDA AQUARIANA.
 
Tal instância — inclusive a da sobrevivência física de cada um ao longo desse tempo de "travessia" — tem a ver com o processo espiritual de cada um, não com a REDE AURORA e suas finalidades humanitárias e universais.

Colocamo-nos apenas como "construtores" (tal qual “serventes de pedreiro”) de uma infraestrutura que, em razão das orientações psicomediúnicas que a REDE AURORA admite como hipótese de trabalho (Amasofia), tem certo"padrão", segue certo "modelo", um "design", na medida em que  suas Estações são projetadas e construídas como"máquinas radiônicas" (emissivas, receptivas e balizadoras) que as tornam tão únicas como vibratoriamente semelhantes entre si, consubstanciando,dessa maneira, a Rede Aurora como um todo, da mesma forma como deverão ser únicas as demais 15 (quinze) outras Redes Mundiais de Estações Aquarianas em gestação no mundo.

Vale destacar que, antes de uma preocupação radicalmente ecológica, a REDE AURORA pauta seus esforços pela busca de autodeterminação de suas unidades e da REDE AURORA como um todo, ou seja, autossuficiência, autossubsistência e autosustentabilidade (autodeterminação) crescentes.

  Nada e nenhuma de nossas orientações constituem "segredo" ou instrumento de poder junto a terceiros ou a quem quer que seja. A nossa referência é um conhecimento público e se articula com todos os saberes possíveis, sem preconceito, e através de voluntários e do próprio Codificador da Amasofia busca ser um ENTENDIMENTO o mais divulgado possível, pelos meios que têm sido possíveis, inclusive em razão dos pesados custos que este objetivo envolve. Vejam Instituto Internacional de Amasofia - www.amasofia.org.br e ainda: www.facebook.com/escoladeamasofia e www.youtube.com/escoladeamasofia.

Os conceitos e diretrizes, escolhas e critérios que a REDE AURORA adota,portanto, são, em princípio, próprios da Rede Aurora, mas não necessariamente exclusivos dela. Sua adoção por quem quer que seja não constitui, como se tem apregoado, recurso de "segurança" contra os acontecimentos amplamente difundidos pelas Profecias antigas e modernas e que, sem dúvida, se aproximam rapidamente do cotidiano de todos nós, estejamos ou não na REDE AURORA ou em outra REDE AQUARIANA qualquer, ou fora de qualquer movimento do gênero. São apenas, tais características, uma "marca vibratória", uma identidade radiônica da REDE AURORA, como uma espécie de "impressão digital",nada mais, aceitas pela REDE AURORA como válidas para si mesma.
 
A Rede Aurora não é uma "seita"
 
Também não somos uma "seita", e muito menos uma "seita ufológica", mas tão somente uma equipe que busca aprender a trabalhar desmistificadamente com Inteligências não físicas e criaturas de outros orbes que há milênios guardam estreita relação com o processo terrestre como um todo.
 
Não praticamos nada do ponto de vista espiritualista, mágico, ocultista ou esotérico, não fazemos rituais, não cultuamos mestres, santos ou místicos,quaisquer que eles sejam, não seguimos gurus, não entoamos mantras, não ingerimos substâncias mágicas ou ritualísticas, e não nos valemos de recursos de comunicação psicomediúnica inconscientes e, igualmente, não praticamos qualquer tipo de discriminação religiosa, econômico-social, profissional, civil,educacional, de orientação sexual, de etnia, cultural, o que seja.
 
Respeitamos, comunitária e institucionalmente, todas as Tradições Espirituais e Religiosas, constituídas e informais, mas adotamos em relação à Divindade e seus Mestres, Santos e Entidades a visão ou o entendimento AMASÓFICO sobre os mesmos, digamos assim.
 
A AMASOFIA é uma COSMOGONIA, ou seja, uma VISÃO HOLÍSTICA DE MUNDO, uma perspectiva desmistificada, não religiosa e não devocional e também não científica de entendimento da Realidade, da Vida, do Cosmo, da natureza humana e do espaço-tempo, da Consciência, da Espiritualidade, da Divindade, dos Mestres e Avatares, bem como da história da Terra e dos terrestres e do que vai pelos seus (escuros) bastidores.

 Não envolve crença, mas tão somente informação, lógica elementar, indícios, leitura, pesquisa, estudo, não só da Amasofia em si, mas de tudo o que está vindo à tona na atualidade graças alutadores de todos os tipos que têm, corajosamente, à revelia das pressões de que têm sido vítimas, “desenterrado” mistérios, revelado fatos, questionado verdades, derrubado dogmas, desmistificado práticas e valores, hábitos e comportamentos, sejam oficiais, oficiosos ou culturais.
 
Seu Codificador, entre nós, é um respeitado colega de trabalho que, como os demais integrantes da REDE AURORA, canaliza e disponibiliza orientações genéricas, abertas, que por sua vez são aprofundadas por todo aquele que se dedica a uma área do saber, setor de conhecimento ou de atividade prática, ou região geográfica onde a REDE AURORA está ou precisa se fazer presente, razão pela qual todos os ASSOCIADOS desenvolvem a percepção de serem, eles também,CANAIS de suas contribuições pessoais para a Obra, todos igualmente importantes e necessários à harmonia e ao progresso da proposta.
 
Regiões “seguras”
 
A REDE AURORA adota os mesmos critérios de localização geográfica sugeridos pela AGENDA AQUARIANA, critérios esses hoje já fundados no simples bom senso,com muitos indicadores, inclusive científicos, e não os adota em razão do anunciado "Fim do Mundo", mas tão somente porque deseja deixar às gerações futuras uma infraestrutura mínima, uma vez que a não adoção desses critérios de localização de suas Estações poderá colocar em risco físico toda a obra como esforço material, visando resultados materiais para agora e para as gerações futuras, estejamos nelas ou não.